Super Ofertas

Pesquisar

Bragança-Pérola do Caeté

Fundada pelos franceses, cuja expedição foi liderada por Daniel de La Touche, em 1613.


De clima quente e úmido, Bragança também é conhecida como "Pérola do Caeté", “Terra da Marujada" e, ainda, "Amazônia Atlântida", e tem grande vocação para o turismo cultural e praiano.A região também é o maior pólo pesqueiro do Pará, exportando sua produção, principalmente, para as capitais da região Nordeste.

A economia do município basicamente gira em torno das atividades pecuária, agricultura e o extrativismo de caranguejo.“Não troco minha cidade por nenhuma outra”, conta a aposentada Idelmira Gonçalves, de 65 anos. “Aqui o clima ainda é de interior, com muita tranquilidade fora da época do Carnaval, mas é claro, e com boas oportunidades. Nasci aqui, criei meus filhos e hoje tenho netos que vivem comigo, e daqui ninguém sai”.

Assim como a aposentada, centenas de pessoas que escolheram o município para viver e constituir uma família se rendem aos encantos da região, rodeada de pontos turísticos e casas históricas, como a Casa da Cultura, a Catedral Nossa Senhora do Rosário, a Igreja Matriz e o Obelisco Centenário.
Além da arquitetura, Bragança ostenta belas praias. Cinco delas são consideradas as principais e são referência para os veranistas. São elas:

(Foto: Prefeitura de Bragança)

- Praia do Grilo: com águas calmas e mangues, é um dos melhores locais para praticar pesca e, por isso mesmo, abriga uma vila de pescadores;

- Praia do Boiçucanga: uma enseada com areia clara e fina, e mangues, que abriga um farol e uma vila de pescadores;

- Praia do Pilão: de águas claras e areia branca e fina, com dunas e acesso mediante barco;

- Praia Chavascal: também águas claras e ondas fortes no verão, com acesso mediante barcos ou atravessando à pé durante a maré baixa;

- Praia da Vila: de ondas fracas, estreita faixa de areia clara e fina com dunas e acesso à pé, a partir de Ajuruteua, na maré baixa, ou de barco, na maré alta.

A hidrografia do município, inclusive, apresenta dois rios principais: o rio Caeté - que “abraça” a cidade - e o rio Cereja - que corta a sede do município em duas partes. E para quem aprecia igarapés, a região também é ótima opção de lazer, justamente pelas águas que cortam a cidade e formam grandes e pequenos igarapés. 

MARUJADA

A fundação da Irmandade do Glorioso São Benedito de Bragança marca o início da Marujada de Bragança, um evento especial de grande destaque na história da região.

Em 1798, escravos conseguiram a autorização de seus senhores para organização e louvar São Benedito, o Santo Preto. Como forma de agradecimento, saíram de porta em porta celebrando.

Desde então, há mais de 200 anos, a Marujada faz parte da Festividade do Glorioso São Benedito, que ocorre de 18 a 26 de dezembro, e envolve todos os moradores nativos e apaixonados por Bragança.

(Foto: Cristino Martins/Agência Pará)

Um detalhe interessante da Marujada é sua direção ser constituída quase que unicamente por mulheres: o cargo mais alto da hierarquia da Marujada, que é vitalício, é o de capitoa, geralmente ocupado pela mulher mais velha do grupo, que desfila carregando um bastão dourado simbolizando sua autoridade.

Trajando blusa branca, faixa de fita vermelha e uma rosa de tecido, além de uma saia rodada comprida vermelha, azul ou branca e um chapéu vistoso, enfeitado com fitas (quanto mais antiga, mais fitas) e plumas, as marujas visitam as casas, dançando ou andando, em duas filas pelas ruas da cidade.

Os marujos as acompanham vestidos com calça e camisa brancas, tocando tambor, pandeiro, cavaquinho, cuíca, viola e rabeca.

O ritmo predominante, inclusive, é o retumbão, mas durante a celebração também há a execução de xote, chorado, mazurca, cada um associado a uma dança específica.

Outro detalhe importante: no dia 25 de dezembro, a saia das marujas e a blusa dos marujos são azuis. Já no dia 26, a saia das marujas e a fita amarrada no braço dos marujos são vermelhas.


(Adriana Pereira/DOL)

Fonte: http://www.diarioonline.com.br/noticias/para/noticia-336358-braganca-%E2%80%9Cperola-do-caete%E2%80%9D-faz-402-anos.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mapa